Entenda as diferenças entre gestão passiva e gestão ativa

Compartilhe com seus amigos:

Olá investers! Hoje vamos falar sobre as diferenças entre gestão passiva e gestão ativa. Em outro texto, expliquei sobre fundos de investimento, que são basicamente condomínios financeiros nos quais cada cotista (investidor) aplica seus recursos para que a administração do fundo os aloque em diversos ativos de modo a maximizar seus rendimentos.

Conforme foi dito, são uma ótima forma de iniciar no mercado financeiro já que você disponibiliza seu dinheiro para que gestores profissionais busquem os melhores rendimentos para você.

Pois bem, os fundos de investimento se dividem entre aqueles que possuem gestão ativa e outros que atuam com gestão passiva. Mas para saber mais sobre essa diferença será necessário entendermos o que é “benchmark”.

Benchmark

A palavra benchmark significa “índice de referência”. Como os fundos de investimento alocam seus recursos em vários ativos, eles geralmente utilizam como parâmetro alguns dos índices mais importantes do mercado financeiro. Por exemplo, um fundo de ações provavelmente terá como guia de referência o índice Bovespa ou o IBrX-100. Já um fundo de renda fixa pode ter como benchmark o CDI, por exemplo.

Para ficar mais claro, vou fazer uma analogia entre esses índices e o salto em altura. Neste esporte, o sarrafo é ajustado em uma altura que serve de referência ao saltador. Ou seja, ele pode pular abaixo (e perder a competição) ou pular acima do sarrafo, mas de qualquer forma existe ali uma marca de referência. No caso dos fundos do investimento, o “sarrafo” é o benchmark

Diferenças entre gestão ativa e gestão passiva

Podemos dizer, então, que os fundos de gestão ativa procuram superar o sarrafo, ou seja, adquirir uma rentabilidade maior do que a de determinado índice de referência. Por sua vez, os fundos de investimento com gestão passiva, apenas buscam espelhar o benchmark correspondente.

Vamos aprofundar um pouco mais: gestão ativa

Um fundo que traz em seu regulamento a estratégia de gestão ativa contará com gestores “afiados” em selecionar ativos que busquem rentabilidades acima dos principais índices do mercado.

Um fundo do tipo “Ações Livre” terá como característica superar os índices tradicionais de ações. Seus gestores, portanto, operarão ativamente no mercado comprando papeis que possam garantir tal rentabilidade. Por isso, nesse tipo de fundo é cobrada uma taxa de performance toda vez que seu desempenho realmente superar os índices correspondentes.

Os fundos multimercados geralmente são considerados o melhor exemplo de fundos que possuem gestão ativa. Isto porque seus gestores aplicam em diversos tipos de ativos (ações, títulos públicos, câmbio, derivativos etc.). Trata-se de uma estratégia que se pauta na busca por superar os benchmarks.

Mais algumas informações sobre gestão passiva

Um fundo de gestão passiva pode, por exemplo, atrelar sua busca por rendimentos ao IBrX100. Assim sendo, no momento em que você – car@ invester – iniciar sua jornada em um fundo com tal característica, receberá essa informação no regulamento. Então posso ficar tranquilo, Henrique? É certo que a rentabilidade da minha cota espelhará o IBrX-100?

Posso dizer que praticamente sim.

Os gestores de fundos passivos montarão a carteira de uma maneira proporcional ao índice de referência. Os volumes e quantidades podem ser alterados, mas se a ideia é perseguir determinado benchmark, então a carteira do fundo será uma espécie de réplica sua.

A mesma lógica se aplica a um fundo de renda fixa. A diferença é que sua referência poderá ser o CDI ou o IMA-B (índice que que demonstra os rendimentos dos títulos Tesouro IPCA), por exemplo. Os fundos de investimento que se utilizam de gestão passiva cobram uma taxa de administração menor, já que o trabalho dos gestores, digamos, é mais balizado. Como já mencionei em outro texto, os ETFs (Exchange Traded Funds) enquadram-se na categoria gestão passiva.

Vantagens e desvantagens da gestão ativa

A gestão ativa oferece ao investidor-cotista a possibilidade de retornos mais altos do que os usuais no mercado financeiro. Eu diria que esta é a principal vantagem.

Além disso, é sempre bom lembrar que se você contar com uma boa equipe de gestores, poderá iniciar de maneira muito positiva sua vida no mercado financeiro. Isto porque você poderá obter boa rentabilidade, além de acompanhar índices, características de ativos, aprender sobre o cenário econômico e uma série de outros assuntos de maneira relativamente confortável, já que terá uma equipe de gestores realizando as operações em seu nome.

Entretanto – e aqui vai uma desvantagem -, lembre-se que os fundos de gestão ativa acabam apresentando riscos mais elevados. Uma estratégia mais agressiva leva os gestores a “apostar” um pouco mais em certos ativos e o desempenho pode não sair como o esperado. Além disso, esses fundos cobram taxas de administração geralmente maiores que os de gestão passiva, sem falar também da taxa de performance.

Vantagens e desvantagens da gestão passiva

Se você gosta de previsibilidade e simplicidade, os fundos de gestão passiva são uma ótima pedida. Eles são de simples entendimento e podem representar um início tranquilo na aprendizagem sobre mercados financeiros. Além disso, as taxas de administração são menores que as dos fundos com gestão ativa. Estas seriam suas principais vantagens.

Mas não pense que você estará livre do risco se optar por um fundo de gestão passiva. Como os próprios índices de referência oscilam, o fundo também estará sujeito a eles. Uma outra desvantagem é exatamente o fato de que o investidor fica “amarrado” na busca de determinado rendimento. Então você não conseguirá nada mais do que isso.

É claro que, até certo ponto, as vantagens/desvantagens dependem do ponto de vista do investidor-cotista. Se você busca maior rentabilidade e um pouco mais de “agressividade” na busca por rendimento, então naturalmente uma gestão passiva lhe representaria uma desvantagem.

Qual escolher?

A resposta correta é sempre … depende!

Quem possui um perfil mais previsível geralmente buscará um fundo de gestão passiva. Agora, se você gosta de arriscar um pouco mais a gestão ativa lhe servirá melhor. Se você está aprendendo e começando, talvez seja mais interessante ir começando por um fundo de gestão passiva. Então, à medida em que vai pegando o gosto pelos investimentos e aprendendo mais sobre os mercados financeiros, pode optar por fundos de gestão ativa.

Por sinal, você pode ter os dois tipos de fundos em sua carteira sem problema nenhum.

Lembre-se que os dois tipos de fundos são interessantes para aplicações de longo prazo. Se você pensa em adquirir algum bem no futuro, ou em sua aposentadoria, ou na poupança dos seus filhos, faça aportes regulares, diversifique e considere os dois tipos de fundos. Quanto mais tempo você aplicar, apesar das oscilações conjunturais, maior retorno você poderá obter no longo prazo.

Nosso próximo assunto será entender um pouco mais sobre as diferenças entre renda fixa e renda variável. Então não percam, pois é um tema muito importante!

Até breve!


Henrique Pavan

Professor de Economia, com 10 anos de experiência em graduação e pós. Produtor de conteúdo nas áreas de finanças e economia. Possui doutorado pela UFABC, no qual pesquisou temas como moedas socais, inclusão financeira e a relação entre moeda/sistema financeiro com o desenvolvimento local.


Mais posts para você

Deixe um comentário aqui =D