Bitcoin vs Ethereum: Conheça as diferenças entre as moedas 

Compartilhe com seus amigos:

Bitcoin vs Ethereum: Conheça as diferenças entre as moedas 

Desde que foram criados, os criptoativos passaram a atrair a atenção do público. Entre moedas digitais, como o bitcoin, e recursos de tecnologia, como o ethereum, há muitas alternativas disponíveis. Mas você sabe quais são as reais diferenças que existem entre eles?

No caso do bitcoin e do ethereum, por exemplo, há distinções no funcionamento e nos objetivos. Como consequência, podem existir diferenças importantes na hora de investir e de aproveitar essas possibilidades.

Para não ter mais dúvidas, descubra o que muda entre bitcoin e ethereum e saiba como investir. Vamos lá?

O que é e como funciona o bitcoin?

O bitcoin (BTC) foi a primeira moeda digital criada. Ela foi lançada no final de 2008 e seu criador é conhecido como pseudônimo Satoshi Nakamoto.

Para funcionar, o bitcoin se baseia na tecnologia de blockchain. Nesse caso, os usuários da própria rede — chamados de mineradores — disponibilizam recursos computacionais para a resolução de problemas matemáticos complexos.

O objetivo do processo é identificar um código único, conhecido como hash. Em troca, o primeiro minerador a encontrar o código é remunerado na criptomoeda — e a tarefa é conhecida como mineração de bitcoin. Com isso, são os próprios usuários que validam as transações.

O hash obtido serve para identificar um bloco de operações que são registradas em um livro público. Ademais, cada bloco conta com o próprio hash e com a identificação do bloco anterior. Isso cria uma corrente e torna virtualmente impossível que ocorram fraudes. Afinal, a mudança em um hash exigiria a alteração de toda a sequência de blocos.

Esse tipo de tecnologia permite que o bitcoin atue de maneira descentralizada, anônima e criptografada. 

O que é e como funciona o ethereum?

O ethereum é outro tipo de criptoativo e chegou ao mercado em 2015. Na verdade, ele serve como uma plataforma global de código aberto e foi desenvolvido por Vitalik Buterin.

Contudo, o ethereum é considerado parte do mercado de criptoativos porque utiliza o blockchain como base para a execução de atividades com descentralização e criptografia. Nesse caso, a moeda utilizada é a ether (ETC), que funciona como um tipo de token para trocas e transações dentro da plataforma.

Quais as diferenças entre moedas como bitcoin e ethereum?

Além de conhecer as características individuais dessas opções do mercado de criptomoedas, é interessante entender como elas se comparam. Por isso, veja quais são as principais distinções do bitcoin e do ethereum!

Funcionalidade

Um dos aspectos mais relevantes que diferenciam moedas como o bitcoin do ethereum é a funcionalidade do criptoativo. O BTC, como visto, é uma moeda digital, sem lastro físico e que permite realizar transações financeiras descentralizadas.

O ethereum, por sua vez, é uma tecnologia. Ele permite a criação de aplicações descentralizadas, contratos inteligentes e recursos do blockchain aplicáveis a diferentes transações. 

Embora o ethereum tenha o ether como moeda, a plataforma não se limita a ele. Na prática, há como criar múltiplos tokens e soluções financeiras.

Emissão de moedas

Em seu manifesto de criação, ficou definido que o bitcoin seria uma moeda virtual do tipo deflacionária. Isso se tornou possível pelo limite de emissão estabelecido desde o primeiro momento, o que ajuda a evitar a inflação e a perda do valor de cada moeda ao longo do tempo.

No ethereum, há a emissão de ether sem grandes limitações. Além de a quantidade inicial já ser maior que o total de bitcoins existentes, ainda são criadas outras moedas do tipo.

Método de validação

A validação de transações é outra diferença entre o bitcoin e o ethereum — o que também afeta a criação de moedas. O BTC usa o protocolo conhecido como prova de trabalho (proof of work), em que são utilizados recursos computacionais.

No ethereum, utiliza-se a prova de participação (proof of stake). Nesse caso, o método não exige processadores físicos e, sim, a comprovação de que o minerador dispõe de determinada quantidade de moedas.

Em termos de segurança, entretanto, ambos os criptoativos se equiparam, pois utilizam o blockchain como base de operação.

Velocidade de transação

O mercado de criptoativos é relativamente ágil. Por ser descentralizado, não existem grandes burocracias na transferência de recursos. No entanto, há uma diferença relevante entre bitcoin e ethereum. 

No primeiro caso, há um período um pouco maior, de cerca de 10 minutos, até que a operação seja validada. Com a plataforma ethereum, o tempo cai para poucos segundos, o que pode ajudar na conquista de escala. A diferença existe, principalmente, devido aos métodos de validação utilizados. 

Qual criptomoeda escolher para investir?

Ao conhecer esses ativos, é comum se interessar pelo investimento. Participar do mercado de criptomoedas pode ser uma boa alternativa para quem deseja ter uma carteira diversificada. Afinal, esse é um ativo descorrelacionado dos demais investimentos que existem no mercado.

Além disso, é possível aproveitar o potencial de ganhos, que tende a ser maior com os criptoativos. Contudo, também é preciso considerar os riscos, que são igualmente mais elevados. No geral, as moedas digitais têm alta volatilidade, o que aumenta as chances de perdas.

Caso as características façam sentido para você, há como investir nessa alternativa. No entanto, apesar das diferenças entre moedas como o bitcoin e o ether, do ethereum, não é necessário escolher uma em detrimento da outra. Assim, é possível diversificar a carteira.

Inclusive, uma das formas de investir é por meio de um ETF. Esse é um fundo de índice que tem o objetivo de replicar a carteira teórica de um indicador de referência. Entre as alternativas, existem os ETFs de criptomoedas.

Quais as vantagens do investimento em um ETF de moeda digital?

Se você se interessou pelos ETFs, vale a pena entender as suas vantagens. Uma das mais importantes é a regulamentação desse veículo financeiro, que é devidamente verificado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). As moedas digitais, por outro lado, não são regulamentadas.

Além disso, essa é uma forma acessível de investir. Com a compra de cotas, você pode pagar menos do que seria necessário para adquirir as moedas digitais — em especial, o bitcoin. Além disso, o acesso é facilitado — basta ter conta em uma instituição financeira para acessar o mercado.

O ETF também ajuda a diversificar a carteira. Isso porque investir em um ETF pode garantir exposição a diferentes ativos, o que auxilia a diluir parte dos riscos. 

Vale destacar que a Investo possui ETFs focados em criptoativos, como o IBTC11, BLOK11 e IETH11. Por meio desses fundos, você pode se expor ao mercado e aproveitar as vantagens apresentadas.

Como você viu, as moedas digitais, como bitcoin ou a moeda do ethereum, têm diferenças relevantes. Em vez de ter que escolher uma alternativa em detrimento de outra, você pode investir no ETF e aproveitar aspectos positivos, como a regulamentação do produto no mercado.

Gostou de saber mais sobre o assunto? Se quiser investir por meio de ETFs, veja os fundos que oferecemos na Investo!

Deixe um comentário aqui =D