Por onde eu começo a investir? Descubra como dar os primeiros passos!

Compartilhe com seus amigos:

Por onde eu começo a investir? Descubra como dar os primeiros passos!

Saber como começar a investir é uma das maiores dúvidas de quem quer iniciar seus investimentos no mercado financeiro. Afinal, existem diversas alternativas e é comum se sentir inseguro diante das possibilidades.

No entanto, é possível começar a qualquer momento, mesmo que os aportes mensais não sejam altos. Para isso, você deve entender como o mercado funciona e quais são as alternativas de investimento adequadas às suas necessidades.

Quer saber por onde começar a investir? Continue a leitura e descubra como dar os primeiros passos no mercado financeiro!

Qual a importância de começar a investir a partir de agora?

Muitos brasileiros já estão percebendo a importância de investir. Essa é uma forma de fazer seu dinheiro render, facilitando a construção de patrimônio. Além disso, favorece a realização de sonhos e a constituição de uma vida mais tranquila no futuro.

Nesse sentido, um dos principais fatores que atuam a favor dos investimentos é o tempo. Na renda fixa, por exemplo, os juros compostos são um dos grandes responsáveis pelos resultados. Com eles, quanto mais tempo o dinheiro fica aplicado, maior serão os efeitos da rentabilidade.

Já na renda variável, há a atuação da economia real. Ainda, certos investimentos precisam de um tempo maior de amadurecimento para trazerem retornos consistentes. Dessa forma, é possível consolidar os resultados no longo prazo.

Isso significa que, quanto antes você começar a fazer seus aportes, maiores são as chances de construir patrimônio. Ao mesmo tempo, é fundamental investir com constância para que a carteira seja mais sólida e estratégica. 

Como começar a investir?

Depois de entender por que é importante começar a investir quanto antes, vale a pena entender como dar os primeiros passos nos investimentos. Confira:

Quitar as dívidas

O primeiro passo para quem deseja começar a investir é se livrar das dívidas. Os débitos em aberto podem consumir recursos financeiros e impedir que você aproveite boas oportunidades de investimento. Isso porque é comum ter condições mais favoráveis em pagamentos à vista. 

E, se as obrigações estiverem atrasadas, os juros e multas tendem a ser maiores que a rentabilidade da maioria dos investimentos. Portanto, é fundamental buscar formas de negociar e quitar os valores pendentes antes de iniciar os seus aportes.

Uma dica interessante é entrar em contato com a empresa ou instituição credora antes de fazer o pagamento. Assim, você pode tentar renegociar a dívida, principalmente se você conseguir pagar à vista. Caso não seja possível, vale se organizar para quitar os valores no menor tempo possível.

Em geral, isso reduz a taxa de juros e aumenta a economia da estratégia. Após quitar o montante devido, também é essencial não fazer novas dívidas. Esse cuidado aumenta a previsibilidade do seu orçamento e permite que você se organize para começar a investir.

Fazer um bom planejamento financeiro

Encontrar estratégias para pagar as dívidas e começar a investir envolve fazer um bom planejamento financeiro. Para tanto, você deve montar um orçamento, planejando todas as despesas conforme a sua renda.

Liste todos os seus gastos mensais e todas as receitas para entender melhor a sua situação financeira atual. Depois, avalie as despesas para definir o que pode ser reduzido, cortado ou deve ser mantido.

Para manter o orçamento sob controle, o ideal é definir prioridades. A partir disso, você pode definir um teto de gastos para cada categoria de despesa. Por fim, não deixe de respeitar esse planejamento sempre que for comprar algo.

Identificar o perfil de investidor

Outro passo importante é definir seu perfil de investidor, que ajuda a identificar a sua tolerância ao risco. Ele também ajuda a compor uma carteira diversificada, ao mesmo tempo em que respeita as suas características e expectativas.

Se você não deseja correr muitos riscos e prioriza a segurança e a liquidez nos investimentos, mesmo que isso represente menor rentabilidade, seu perfil é conservador. Já os investidores que estão dispostos a arriscar um pouco mais em busca de melhor retorno são chamados moderados.

Também existem investidores que buscam rentabilidade mais alta, mesmo que isso represente maiores riscos. Nesse caso, eles são considerados arrojados. Contudo, vale destacar que, ainda assim, os riscos tendem a ser calculados, seguindo uma estratégia estabelecida. 

Definir objetivos e prazos

Definir objetivos também é importante para escolher os investimentos mais alinhados às suas necessidades. Eles também devem ser separados de acordo com os prazos — curto, médio e longo.

As metas de curto prazo se estendem por até um ano. Os planos de médio prazo duram até 5 anos e os de longo prazo exigem períodos acima de 5 anos. Com o perfil e os objetivos definidos, é possível definir as alternativas mais adequadas para montar uma carteira que ajude a realizar seus sonhos.

Buscar entender os investimentos e suas características

Para identificar os investimentos mais adequados ao seu perfil e objetivos, é fundamental conhecer as alternativas do mercado. Para começar, saiba que existem possibilidades tanto na renda fixa quanto na renda variável.

No primeiro caso, os investimentos têm lógica de rentabilidade conhecida pelo investidor antes do aporte. As alternativas dessa classe são bastante utilizadas por quem está começando a investir ou busca mais segurança.

Já a principal característica da renda variável é não possuir retornos previsíveis. Logo, ao investir nessa classe, você não saberá qual será o rendimento dos investimentos ao longo do tempo — nem mesmo se o resultado será positivo.

Por outro lado, as alternativas da renda variável — como os ativos disponíveis na bolsa de valores —também oferecem maior potencial de retorno devido aos maiores riscos. É o caso, por exemplo, das ações, fundos imobiliários e fundos de índice (ou ETFs).

Montar uma reserva de emergência

Muitos investidores iniciantes ainda desconhecem a importância da reserva de emergência. Porém, ela é essencial para trazer maior segurança na rotina. Ela consiste em um montante que deve cobrir, pelo menos, 6 meses do seu custo de vida. 

Ademais, o dinheiro deve estar disponível para ser utilizado em situações imprevistas, evitando o endividamento. Por isso, é essencial buscar investimentos com alta liquidez e segurança para investir a soma. Assim, você terá mais tranquilidade para fazer aportes com outros objetivos. 

Agora você sabe como começar a investir e pode colocar este passo a passo em prática. Além disso, lembre-se de que é importante se manter atualizado sobre o assunto. Afinal, o mercado financeiro é dinâmico e oferece diversas oportunidades de investimento.

Gostou de aprender essas informações? Então siga nossos perfis no Facebook, Instagram, Twitter, LinkedIn e YouTube e acompanhe nossos conteúdos exclusivos!

Deixe um comentário aqui =D