O número de ETFs não para de crescer. Como identificar o melhor fundo de índice para você?

Compartilhe com seus amigos:

O número de ETFs não para de crescer. Como identificar o melhor fundo de índice para você?

Investir em ações não é a única possibilidade presente na bolsa de valores. Apesar de elas serem os ativos mais conhecidos no mercado, existem outras possibilidades de investimento. Por exemplo, você já ouviu falar a respeito de ETF ou fundo de índice?

Esse investimento pode trazer oportunidades para expor o seu capital a diferentes empresas ou ativos nacionais e internacionais. Por isso, é importante conhecer melhor o que é e como funciona essa alternativa que está ganhando espaço no mercado financeiro. 

Neste artigo, você aprenderá o conceito e características dos ETFs e como identificar o melhor fundo de índice para a sua carteira de investimentos!

O que é um ETF? 

ETF é a sigla para exchange traded fund — conhecido como fundo de índice no mercado brasileiro. Trata-se de um veículo de investimento coletivo que visa espelhar a performance de um indicador de mercado.

Os índices são responsáveis por medir o desempenho da economia ou de um setor específico. Por exemplo, o índice Bovespa (Ibovespa) pode ser usado como um termômetro do mercado nacional, já que é composto pelas ações das companhias de maior representatividade no país.

Então um ETF atrelado ao Ibovespa terá uma carteira com os mesmos ativos que integram o índice. Assim, seu desempenho será semelhante ao do índice utilizado como referência, não havendo a necessidade de superá-lo.

Para participar dos resultados desse tipo de fundo, o interessado precisa adquirir suas cotas na B3 (a bolsa de valores brasileira). Nela, é possível encontrar ETFs de renda fixa e renda variável, atrelados a índices nacionais ou internacionais.

Quais são as principais características de um ETF?

Os ETFs são veículos de investimento coletivo, então reúnem o capital de diferentes investidores. Depois, o patrimônio levantado fica sob a gestão de um profissional do mercado. Ele se encarrega pela negociação dos ativos que integrarão o portfólio do ETF, seguindo o índice de referência.

O trabalho do gestor é remunerado pela chamada taxa de administração, a qual é rateada entre todos os cotistas. Como a gestão é passiva — já que não preciso apresentar um resultado superior ao índice espelhado —, as taxas costumam ser menores do que em fundos com gestão ativa.

Além disso, como os ETFs espelham um índice de mercado, eles têm carteiras diversificadas. Nesse caso, ao investir em apenas uma cota, o interessado estará exposto a todos os ativos do fundo. 

Em relação aos ganhos nos ETFs, eles acontecem por meio da valorização das cotas. Isso porque, no mercado nacional, os fundos de índice não contam com a distribuição de dividendos. Na prática, os eventuais proventos recebidos pelo fundo são reinvestidos pelo gestor.

Também é preciso ter em mente que incide Imposto de Renda (IR) sobre o lucro na venda das cotas dos fundos de índice. A alíquota é de 20% para operações de day trade (realizadas no mesmo dia) ou 15% em operações comuns (com duração superior a 1 dia) para os ETFs de renda variável.

O que considerar ao escolher um ETF para investir?

Após aprender o conceito de ETF e suas principais características, chegou o momento de conferir o que deve ser considerado para escolher a melhor alternativa para a sua carteira. Afinal, é cada vez maior o número de possibilidades disponíveis no mercado.

Veja a seguir o que avaliar!

Conheça seu perfil de investidor

O primeiro passo para a escolha de um ETF deve ser a avaliação de seu perfil de investidor. Não há investimento sem risco. Mesmo nas alternativas de renda fixa, consideradas seguras, existem riscos a serem ponderados.

Logo, é importante que o investidor saiba identificar o nível de risco que está disposto a suportar ao realizar um investimento. Os ETFs integram a renda variável, portanto, costumam ter um risco maior. Nesse caso, não é possível prever seus resultados com precisão e há riscos de perdas.

No entanto, é possível diminuir os riscos dos ETFs por meio de estratégias como a diversificação. Por exemplo, ao invés de investir todo o seu capital em um único ETF, você poderá distribuí-lo entre diferentes investimentos — principalmente se eles estiverem descorrelacionados.

Defina seus objetivos

Outro ponto que deve ser definido são os seus objetivos. Dificilmente você conseguirá identificar o fundo mais adequado para a sua estratégia se não souber o resultado que pretende alcançar com o aporte.

Nesse sentido, é válido ter metas traçadas para o curto, médio e longo prazo. Assim, você poderá se planejar de modo mais eficiente e escolher a alternativa mais adequada para cada objetivo, aumentando suas chances de ter sucesso nos seus investimentos.

Escolha qual é o mercado de seu interesse

Como visto, existem diversas alternativas de ETFs no mercado — sejam voltados à renda fixa ou renda variável. Ainda é possível encontrar fundos com foco em diferentes setores, como os segmentos de tecnologia, games, criptoativos, ações globais, entre outros.

Vale saber que a Investo é a primeira gestora independente do Brasil focada em ETFs. Ela gere fundos de índice globais de qualidade, que já contam com anos de mercado e bilhões de dólares em patrimônio. 

Veja alguns exemplos:

  • 5GTK11: composto por mais de 88 empresas do mercado de tecnologia 5G;
  • ALUG11: traz exposição ao setor imobiliário norte-americano (REITs);
  • BTEK11: conta com ações de mais de 190 empresas do setor de biotecnologia americano;
  • JOGO11: aloca recursos em companhias do mercado de games e e-sports;
  • USTK11: investe em cerca de 350 empresas americanas de tecnologia;
  • WRLD11: conta com ações de mais de 9 mil empresas de países emergentes em todo o mundo.
  • NFTS11: oferece exposições a tokens do setor de mídia e entretenimento. Ele é ligado, portanto, ao mercado de NFTs (non-fungible tokens)

Ao investir em ETFs que estão atrelados a índices estrangeiros, você reduz a exposição aos riscos do mercado nacional. Isso significa que se o Brasil passar por uma crise, que impacte negativamente a economia, sua carteira terá maior proteção.

Ademais, com tantas alternativas no mercado, o investidor consegue montar carteiras diversificadas com os ETFs, aproveitando os benefícios de cada setor. Isso permitirá mitigar os riscos do portfólio, enquanto aumenta as chances de potencializar seus ganhos.

Saiba mais sobre o ETF de seu interesse.

Além de conhecer seu perfil de investidor e objetivos e considerar o mercado de seu interesse, vale se atentar a outras características dos fundos. Avalie, por exemplo, a qualidade da gestão, os ativos que integram o portfólio de cada um dos ETFs e as taxas de administração. 

Depois de conhecer o fundo de índice, você pensa em adicionar esse investimento na sua carteira? Se a resposta for positiva, não deixe de fazer uma boa análise dos ETFs do mercado e, sobretudo, seu perfil de investidor e objetivos. Assim, será mais fácil escolher o melhor fundo para o seu portfólio!

Quer conhecer melhor os ETFs Globais da Investo? Acesse o nosso site e confira nossos fundos de índice!

Deixe um comentário aqui =D