Como ter exposição global utilizando os ETFs? Descubra!

Compartilhe com seus amigos:

Como ter exposição global utilizando os ETFs? Descubra!

Ao considerar estratégias de diversificação da carteira, dependendo do seu perfil e objetivos, pode ser interessante investir de modo global. Isso permite se expor e aproveitar o potencial de outros mercados. Para tanto, você pode utilizar os ETFs (exchange traded funds).

Você já conhece essa modalidade de investimento? O funcionamento é semelhante aos dos fundos de investimentos tradicionais, com um gestor profissional e cotistas. Porém, a estratégia tem como objetivo replicar a carteira teórica de um índice de mercado.

Então que tal entender mais sobre o tema? Continue lendo e veja como os ETFs podem ajudar a ter exposição global na sua carteira, sem sair do Brasil!

Por que é interessante buscar alternativas internacionais?

A diversificação da carteira é uma estratégia importante para auxiliar no manejo de riscos e até mesmo aumentar o potencial de retorno da carteira. E você não precisa se limitar aos investimentos nacionais.

Buscar investimentos em outros mercados pode ser interessante para agregar mais segurança ao portfólio, por diversos motivos. Por exemplo, investimentos internacionais permitem fazer o hedge cambial, protegendo o patrimônio de cenários de desvalorização do real.

Ainda, é possível se expor a moedas mais fortes, como o dólar, e economias mais sólidas. Ao mesmo tempo, você consegue se proteger contra as movimentações do mercado nacional. Assim, com o aumento da diversificação da carteira, é possível reduzir os riscos dos seus investimentos.

Isso acontece porque há chances de fazer uma alocação de recursos descorrelacionadas do mercado nacional. Isso significa compor a carteira com investimentos cujos comportamentos não se relacionam.

É comum que alguns investimentos apresentem uma movimentação semelhante diante de certos cenários — porque têm correlação positiva. Por outro lado, existem ativos com comportamentos contrários em relação a um mesmo evento, situação em que há a correlação negativa.

Uma carteira diversificada deve ter ativos com correlação negativa. E os investimentos internacionais podem ajudar nisso. Afinal, eles terão exposição a outros contextos além do mercado brasileiro — e podem se comportar de maneiras diferentes dos ativos nacionais.

De que modo é possível ter exposição global na carteira?

Depois de aprender por que pode ser interessante se expor a ativos internacionais, vale a pena conhecer as principais formas de fazer isso. Em geral, isso pode ser feito de forma direta ou indireta.

Veja só:

Investimento direto

O investidor pode fazer aportes diretamente no mercado internacional, adquirindo ações, títulos de dívida e outros ativos do exterior. Contudo, esse é um processo bastante burocrático, que envolve questões como:

  • abrir conta em uma corretora internacional;
  • realização de câmbio;
  • dificuldades para lidar com as corretoras, especialmente por limitações de idioma.

Assim, ainda que seja possível, nem sempre a alternativa é viável ou adequada para o investidor. Por isso, é interessante saber que existem meios de fazer o investimento sem precisar retirar o seu capital do Brasil.

Investimento indireto

O aporte indireto acontece quando você adquire um ativo ou uma cota de fundo de investimento que traz exposição internacional. Um dos principais exemplos são os ETFs. Eles são fundos de investimento que replicam a carteira teórica de determinado índice do mercado.

Como não há limitação em relação ao indicador que pode ser utilizado, é possível encontrar ETFs que espelham índices internacionais. Logo, o investidor consegue fazer os aportes por meio da bolsa de valores brasileira, a B3.

Como ter exposição global por meio de ETFs?

Se você se interessou pela possibilidade de expor os seus investimentos ao mercado internacional, vale conhecer melhor essa alternativa. Como visto, eles são disponibilizados pela B3. Portanto, é possível investir em reais, sem precisar fazer câmbio e lidar com burocracias.

Além disso, eles tendem a ter cotas acessíveis, permitindo acesso também por pequenos investidores. Outro benefício é a segurança institucional, tendo em vista que os fundos são regulamentados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Nesse caso, para se ter exposição global investindo em ETFs você deve buscar fundos que repliquem índices do exterior. Existe uma ampla variedade de opções, atendendo aos diferentes perfis e objetivos financeiros.

Inclusive, há a possibilidade de se expor a setores específicos. Por exemplo, você pode encontrar ETFs que tragam maior exposição ao segmento de tecnologia — que desperta o interesse de muitos investidores.

Essa é uma área que está em expansão nos últimos anos. Portanto, se expor a grandes companhias internacionais do setor pode ser uma alternativa. Do mesmo modo, é viável encontrar outras possibilidades e focos no mercado.

Por isso, não se esqueça de avaliar se a alternativa está alinhada ao seu perfil e objetivos financeiros. Como se trata de um investimento da renda variável, o ETF apresenta riscos e tem maior volatilidade. Assim, ele tende a se alinhar melhor à carteira de investidores moderados ou arrojados.

Como investir em ETFs pela bolsa de valores brasileira?

Se você acredita que essa alternativa é adequada para a sua estratégia de investimento, é hora de aprender como investir em ETFs. Para tanto, o primeiro passo é ter conta em uma instituição financeira, como uma corretora de valores ou um banco de investimentos.

É por meio delas que você terá acesso ao home broker, que permite fazer as negociações no ambiente da bolsa de valores. Além disso, é importante avaliar as alternativas disponíveis para definir em qual você deseja investir.

Ao tomar uma decisão, anote o ticker do ETF escolhido — um código alfanumérico, formado por duas letras e dois números. Nesse caso, o final será 11, a numeração específica utilizada para identificar ETFs e outras possibilidades negociadas na B3.

Depois que localizar o ticker, basta inserir a quantidade de cotas que deseja adquirir, verificando o preço de cada uma. Por fim, emita a ordem de compra, conferindo todas as informações para evitar equívocos. Após a execução da ordem, basta aguardar o prazo de liquidação.

Como você aprendeu, os ETFs podem ser utilizados para proporcionar a exposição global à sua carteira de investimentos. Porém, é importante pesquisar as alternativas do mercado e avaliar se elas se alinham às suas necessidades. Assim, será possível fazer escolhas mais alinhadas para compor o seu portfólio.

Quer saber mais sobre investimentos? Então aprenda por que é importante diversificar a sua carteira!

Deixe um comentário aqui =D